2 de novembro é a data em que institucionalizou-se o Dia de Finados, no qual os cristãos homenageiam seus entes queridos já falecidos.

Apesar de haver algumas pequenas divergências na origem do Dia de Finados, acredita-se que ele foi instituído inicialmente no século X, na abadia beneditina de Cluny, na França, pelo abade Odilo (ou Santo Odilon [962-1049], como ele é chamado entre os católicos). Odilo sugeriu aos membros de sua abadia, no dia 02 de novembro de 998, que todo ano, naquela data, eles dedicassem suas orações às almas daqueles que já se foram. A ação de Odilo baseava-se em um dos elementos principais do Catolicismo: a ideia de que boa parte das almas dos mortos está no Purgatório, passando por um processo de purificação para que possam ascender ao Paraíso.

Segundo a doutrina católica, no estado de purgação, as almas necessitam de orações dos vivos, que pedem a intercessão divina para que elas possam ficar em paz. Nos séculos da Baixa Idade Média (X ao XV), a prática de orações pelas almas dos mortos tornou-se bastante popular na Europa, ficando conhecida pela alcunha de “Dia de todas as Almas”. Essa prática remonta ao período do Cristianismo primitivo, dos séculos II e III, quando os cristãos perseguidos pelo Império Romano enterravam e rezavam por seus mortos nas catacumbas subterrâneas da cidade de Roma.

Com a descoberta da América e o processo de colonização, o dia escolhido por Odilo de Cluny tornou-se ainda mais popular. Nos dias atuais, apesar do grande processo de secularização que a civilização ocidental sofreu ao longo da modernidade, o Dia de Finados continua a ser uma data especial, na qual a memória dos entes queridos que já se foram nos vem à mente e na qual também milhões de pessoas vão aos cemitérios levar suas flores, sentimentos e orações a esses entes.

Curiosidade: no Brasil, o Dia de Finados é uma data triste, afinal as pessoas lembram de seus entes queridos falecidos com saudades. Já no México, o Dia de Finados (ou “Día de los Muertos”, como é conhecido lá) é comemorado de forma diferente: os mexicanos realizam festas com ricos banquetes, música e altares decorados com oferendas e objetos específicos, pois eles acreditam que nesse dia as almas das pessoas mortas voltam para fazer uma visita a seus familiares e amigos.

Fonte: Mundo Educação, História de Tudo, G1