Os Reis Magos


A primeira e única e referência aos Reis Magos na Bíblia encontra-se no Evangelho segundo Mateus em 2: 1-12, onde é relatado que Jesus nasceu em Belém, na época do Rei Herodes e, que alguns Magos vieram do Oriente, com presentes, seguindo uma estrela, a Estrela de Belém, até o local onde estava Jesus.


O termo “Mago”, na Antiguidade, designava homens sábios, eruditos, conhecedores de Astronomia, desse modo, “Magos” foram reverenciar Jesus. O termo “Rei” foi adicionado na Idade Média, conforme narra São Beta[1], em um manuscrito onde descreve a aparência dos Reis Magos. Melquior, um idoso de 70 anos, com barba e cabelo brancos, vindo de Ur, na Caldeia; Gaspar um jovem de vinte anos, que veio do Mar Cáspio e, Baltazar um mouro, de 40 anos, com barba cerrada, originário do Golfo Pérsico.


Fazendo um recorte para os Ensinamentos Ieed, temos que esses Magos são Três Magos da Sabedoria: Melquior era S.S. Wantuil; Gaspar, era S.S. Xasteix e Baltazar era S.S. Wandú. Cada um desses Magos presenteou Jesus com ouro, incenso e mirra.

Baltazar, S.S. Wandú, oferece o ouro. Não o ouro da ganância, mas o ouro do conhecimento de que Jesus é o verdadeiro Rei, em cujo Reino vivenciamos o Amor. O mesmo Amor que S.S Wandú, nosso chefe Supremo teve pelos Filhos de Estrela D’Alva ao fundar a IEED, nosso caminho para Jesus.


Gaspar, S.S. Xasteix, ofertou o incenso, atestando a Divindade de Jesus, pois conforme o Evangelho segundo São João (1: 14): “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, Glória como a do Unigênito do Pai”! S.S. Xasteix, como S.S. Kimbaô, atestou humildemente a Divindade de Jesus, nos mostrando o caminho da Humildade. Desta forma, todas as vezes que acendemos o sagrado Incenso em nossos rituais, pedimos humildemente que que a Essência de Cristo esteja presente e que a fumaça leve aos Céus nossas intenções.


Melchior, S.S. Wantuil, ofertou a mirra, simbolizando a essência humana de Jesus, que passará por nossas dores e mazelas e vivenciará a Morte humana. A mirra era usada em embalsamentos, desse modo, S.S. Wantuil reverenciou Jesus como o Verbo que se fez Carne, saudou sua matéria, atestando o Amor de Deus por nós, que veio viver entre os Homens! A mirra desinflama, desinfecta, limpa e prepara o corpo para o sagrado, Jesus, o Sagrado que se fez homem, com mirra foi preparado para seu momento mais humano, a morte. Mas Jesus, o Senhor da Vida, venceu a morte e ressuscitou, banhado pela mirra para nós provar a Verdade, o Caminho e a Vida Eterna. Hosanas aos Reis Magos!



[1] FERREIRA, Maria L. A história dos Três Reis Magos (que não eram três, nem reis, nem magos). Disponível em: https://observador.pt/2016/01/06/historia-dos-tres-reis-magos-nao-eram-tres-reis-magos/. Acesso em: 05 jan. 2022.

45 visualizações0 comentário